sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

QUANTO VALE O TRABALHO DO MÉDICO?

The Monthly 'Newb' CHARACTER Challenge Feb'14 -- Concept-Voting - Polycount Forum:

História:
O sistema de computadores caríssimo de uma multinacional ficou fora do ar, os técnicos passaram horas tentando consertá-lo, mas, de nada adiantou, o prejuízo já era milionário, até que então, um dos técnicos falou:

-Chama o japonês, só ele vai dar jeito.

A diretoria da empresa mais do que depressa chamou o japonês, ele chegou e  examinou o equipamento por alguns minutos, pegou uma chave de fenda e apertou um parafuso.

Olhou para os diretores e disse:

-Pronto! Está funcionando perfeitamente. 

Os diretores logo perguntaram:

-Quanto ficou seu serviço?

E o japonês respondeu: 

-Ficou R$ 1.000,00.

-Você esta ficando louco só apertou um parafuso, eu quero um relatório por escrito do que foi feito.

Apertar um parafuso: R$ 1,00
Saber qual parafuso apertar: R$ 999,00

Moral da historia: só você pode valorizar o seu conhecimento ou pode passar a vida trabalhando de graça.

Eu gosto muito dessa história. Ela realmente sintetiza o que eu penso sobre a minha carreira.

Quantos anos de estudo foram investidos para você entrar na Universidade, e principalmente, para se tornar um especialista.

A profissão de médico tem o importante lado social e humanitário, mas por outro lado, precisa ser valorizado também o lado profissional.

Quantas vezes você já apertou o parafuso certo? Centenas, milhares, né?


O médico bom aperta o parafuso certo todos os dias, por isso, ele merece ser valorizado.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

PACIENTE PORTADOR DE INSUFICIENCIA CARDÍACA DEVERÁ SER VACINADO CONTRA INFLUENZA?



Resultado de imagem para vacinacao idoso

Vacinação contra Influenza em portadores de ICC, O que diz a diretriz nacional? O texto é um pouco ambiguo ou superficial, mas entendemos que todo paciente portador de ICC é um doente crônico e portanto deverá receber a profilaxia com vacinação anti influenza.

O texto abaixo é o que diz a nossa Diretriz:

A taxa de vacinação para influenza e pneumococo é reduzida em nosso meio.  A vacina pneumocócica, polivalente, deve ser administrada em dose única com reforço após os 65 anos e em pacientes com alto risco (não realizar este reforço com intervalo menor que cinco anos) e a vacina anti-influenza deve ser administrada anualmente.


  Orientações para a Prevenção de Fatores Agravantes na Insuficiência Cardíaca Crônica Classe de Recomendação Indicações
I - Vacinar contra Influenza e Pneumococcus caso não haja contraindicação  Nível de Evidência   NÍVEL - C  

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E INGESTA DE SAL



Resultado de imagem para INSUFICIÊNCIA CARDIACA E INGESTAO DE SAL

O PORTADOR DE INSUFICIÊNCIA CARDÍACA PODE INGERIR SAL?

           Frente ao doente portador de insuficencia cardiaca(IC) existe sempre um dilema: dieta hipossodica, quanto liberar de sal diariamente ao nosso paciente, para isso buscamos informação na nossa Diretriz de Insufuciencia Cardìaca.
           A orientação da atualização da Diretriz foi influenciada pela polêmica da quantidade permitida de sal adicionado à dieta de pacientes com IC. Dieta com baixo teor de sódio (2 g) foi associado à redução de ingestão de proteína, ferro, zinco, selenium, vitamina B12, e aumento da ativação neuro-hormonal, o que pode ser prejudicial para estado nutricional do paciente. Dieta com 6,6 g de sal reduziu ativação neuro-hormonal. Restrição da ingesta de sal para 3 g só beneficiou pacientes com IC avançada. Dieta com teor normal de sódio foi associada à melhor evolução, e em metanálise a restrição de sódio aumentou mortalidade. Entretanto, outros estudos mostraram benefício da restrição de sódio. Assim, ainda não está bem definido o valor ideal de sódio a ser usado na dieta de pacientes com IC, que deve ser adaptado à situação clínica do paciente.


Orientações para o Tratamento Nutricional de Pacientes com Insuficiência Cardíaca Crônica Classe de Recomendação Indicações
I Dieta saudável com adição de até 6 g de sódio, individualizada conforme as características do paciente.  
- nivel de evidencia C

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

IMPLANTE DE CARDIODESFIBRILADOR MULTISSÍTIO TRC-D e LOOPER IMPLANTÁVEL AGORA TÊM DIRETRIZ DE UTILIZAÇÃO

Resultado de imagem para Cardiodesfibrilador Multi Sitio TRC-D

Boas Noticias:

 Avanços obtidos recentemente nos órgãos regulatórios de saúde nacionais: 

Após um período de esforço intenso e reuniões, obtivemos a reformulação do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde (Rol ANS 2016), que constitui a referência básica de cobertura assistencial mínima obrigatória nos planos privados de assistência à saúde, a ser adotada a partir de 02/01/2016.
Foram obtidos enormes avanços, com a inclusão da obrigatoriedade de cobertura para 2 procedimentos de extrema importância:
1˚) Implante de Cardiodesfibrilador Multissítio TRC-D (Gerador e Eletrodos);
2˚) Implante de Monitor de Eventos (Looper Implantável).
A inclusão no Rol ANS do Implante de Cardiodesfibrilador Multissítio TRC-D sempre foi uma antiga reinvindicação do DECA SBCCV, devido aos enormes benefícios clínicos amplamente demonstrados em diversos ensaios clínicos e incorporados por todas as Diretrizes Médicas internacionais. A Diretriz de Utilização (DUT) aprovada junto à ANS, que dita os critérios de indicação para implante de TRC-D, contempla tanto pacientes com indicação primária como secundária. Vale lembrar que já havíamos conseguido a incorporação desse item na Classificação Brasileira Hierarquizada de Médicos (CBHPM AMB 2014), com porte 14A, considerado bastante significativo dentro da realidade da CBHPM.
A inclusão do Implante de Monitor de Eventos (Looper Implantável) também amplia de forma significativa o arsenal diagnóstico cardiológico. Inicialmente tal tecnologia foi autorizada para a propedêutica da Síncope de Origem Indeterminada. Acreditamos que dentro em breve poderá haver a ampliação da sua DUT para a investigação do AVC criptogênico, frequentemente causado por Fibrilação Atrial não previamente documentada.
Essa atualização no Rol ANS foi o resultado de trabalho intenso e consenso de opiniões de especialistas do DECA SBCCV, AMB, ANS, Ministério da Saúde e as diversas medicinas de grupo, como Unimed Brasil, Abrange, Unidas e Fenasaúde.

terça-feira, 3 de novembro de 2015

QUANTO DE SAL DEVO INGERIR DIARIAMENTE?

Resultado de imagem para TABLE SALT

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), deve-se ingerir entre 4 a 6 gramas de sal por dia, que corresponde a 4 ou 6 pacotinhos de sal do tipo que se encontra nos restaurantes, ou 1 colher de chá de sal, por dia, que deve ser distribuído em todas as refeições.
Como nem todos os tipos de sal contém a mesma quantidade de sódio, trocar o sal refinado por outro tipo de sal, pode ser uma alternativa para manter a saúde em dia e evitar doenças como a hipertensão arterial, por exemplo.

Conheça os diferentes tipos de sal

Existem diferentes tipos de sal, com diferentes quantidades de sódio:
  • Sal refinado ou sal fino: É o mais utilizado no Brasil, tendo 400 mg de sódio por cada grama.
  • Sal light: É uma forma de substituir o sal fino, porque contém cerca de 50% a menos de sódio. Cada grama de sal light possui 197 mg de sódio.
  • Flor de sal: Geralmente utilizado em restaurantes sofisticados, contém 450 mg de sódio por cada grama de sal.
  • Sal grosso ou sal marinho: É uma alternativa interessante para a culinária cotidiana, porque este sal penetra menos no alimento. Cada grama de sal grosso possui 420 g de sódio.
  • Sal líquido: É diluído em água mineral e por isso é mais suave, sendo ótimo para temperar saladas. Cada 0,1ml de sal líquido em spray contém 11 mg de sódio.